Culinária

preferences-128x128

Todos os pulos do Gato do Kibe Vegano!

Kibe Vegano foi sempre um desafio, nunca dava certo, simplesmente era dificil de modelar e depois explodia no óleo quente. Para fazer um bom kibe descobri que há dois segredos, a massa precisa ser bem sequinha, ter pouca água e precisa ter algo que de liga no lugar da carne (carne de soja sozinha não da liga).

Pulos do Gato

pulo-do-gato-na-cozinha

Acho que resolvi os dois problemas, primeiro passei a massa na Champion Juicer no modo de extrair suco, ela saiu sequinha do outro lado e o caldo que foi extraido ainda serve de molho para algum outro prato.
Veja foto abaixo.

 

massa_crua_de_kibe_vegano

Depois usei Chia hidratada em agua para dar liga, fica igual um gel e se mistura perfeitamente com o triguilho para formar o kibe.

chia2

Foto: Blog Papacapim

Misturando a massa que saiu da juicer com a Chia em gel  a massa fica com uma boa liga para ser modelada, a água que foi acrescida a Chia parece não atrapalhar na fritura depois, caso o kibe comece a explodir na frigideira e se desmanchar é sinal que você pos água demais na chia, tente por um pouco menos. Ela deve criar apenas uma leve pelicula gelatinosa na superficie.

Receita de Kibe Vegano ficou:

  • 250 gramas de pvt, se possível compre da pvt escura com corante de caramelo
  • 250 gramas de trigo para kibe
  • 1 maço de salsinha picadas
  • 1 maço de cebolinha picadas
  • 1 maço de Hortelã
  • 3 a 4 cebolas picadas em cubinhos pequenos
  • 1 colher chá de curry
  • 2 colheres de sopa de alho triturado
  • 1 colher de sopa de pimenta do reino (opcional)
  • 200 gramas de sementes de chia
  • óleo para fritar
  • Sal a gosto
  • Limão para por na hora de servir.

 

Preparando a PVT (carne de soja)

Deixe a PVT em água morna por no mínimo 10 minutos. Até ficar bem molinha. Então escorra num escorredor de macarrão ou usando uma peneira, o melhor que puder.

Refogue as cebolas picadas com uma colher alho (primeiro a cebola depois o alho), acrescente o curry e a pimenta do reino, deixe dar uma fritadinha nos temperos

Acrescente a PVT hidratada, caso ela não seja da escura ( com corante de caramelo ) use um pouco de shoyo para dar uma corzinha na carne de soja, mas lembre-se que shoyo já tem sal.

Vá refogando tudo mexendo sempre pra não grudar no fundo, tente deixar a carne bem sequinha.

Criando a massa do Kibe Vegano

Deixe o trigo imerso em água de um dia para outro, ou por no mínimo 4 horas.

Junte a PVT temperada mais os temperos frescos (salsinha, cebolinha, hortelã) mais a segunda colher de alho triturado. Misture bem até homegenizar a massa. Neste ponto é que você poderá passar ela pela Champion Juicer caso possua uma, ou então deixar em geladeira por algumas horas para ver se massa resseca um pouco. Na Champion Juicer será instantâneo, use a juicer em modo suco, com a peneira furadinha, deixe o jarro que vem com a juicer embaixo da máquina e uma tigela na boca do funil de saída para aparar a massa que irá sair já mais ressecada. O caldo que irá acumular no jarro poderá ser utilizado em outras receitas.

Hidrate a chia em água, se você por as 200 gramas de chia numa tigelinha pequena e cobrir com água já é suficiente. Em poucos minutos irá se formar um gel sobre a chia.

Misture a chia gelatinosa a massa que saiu da Champion Juicer, até que as sementes de chia sumam dentro da massa do kibe, como são muito pequenas e escuras, ficarão imperceptíveis.

Prove o sal desta massa, se precisar por mais algumas pitadas e vá misturando para homogenizar este sal, o mesom serve para pimenta, caso ache necessário ter mais um pouco.

Moldando o Kibe Vegano

Unte suas mãos com óleo

Pegue pequenas porções de massa e enrole como um bolinho, se os bolinhos forem muito grandes tenderão a ficar cru por dentro na hora de fritar, tente faze-los pequenos e sempre do mesmo tamanho.

De tempos em tempos ponha mais óleo nas mãos para ajudar a enrolar.

kibe-cru-vegano

Fritando o Kibe Vegano

Aqueça o óleo em uma panela ou frigideira de maneira que os kibes fiquem submersos no mesmo. Espere até que o óleo esteja bem quente para começar a fritar.

Acrescente os kibes um a um, tente não mexer neles assim que por eles no óleo, espere eles se firmarem um pouco criando aquela casca mais escura caracteristica do kibe.

Sirva quente com limões cortados para as pessoas expremerem por cima.

kibe-vegano

 

Obs.: Também pode-se se optar por assar os kibes em forno. Os da foto acima foram fritos.

 

 

  • Acessos 46017

Sobremesa sem desculpas - Pavê Vegano

pave vegano
Acho que não é mais segredo que não sou muito fã de sobremesas. Eu gosto de um pedacinho de bolo de vez em quando e com certeza aprecio um cookie ou um gelato bem feitos, mas a verdade é que raramente sinto desejo de comer doces. E como aqui em casa só tem eu e Anne, isso significa que qualquer sobremesa que eu fizer será dividida por dois e eu terei que dar conta de metade de um bolo de chocolate! Parece um sonho pra você? Pra mim não. Então geralmente só faço sobremesas quando temos convidados pra jantar. O que aconteceu sábado passado.

Como o prato principal era lasanha (receita nova que espero publicar aqui no dia que descobrir como fazer uma lasanha branca parecer atraente na foto) eu queria uma sobremesa leve. Criei esse pavê de banana com coco, baunilha e rum pra um dos jantares no meu “restaurante ocasional” ano passado. Foi um sucesso absoluto entre meus convidados europeus. Pois é, europeus. Sempre fico com receio de dividir minhas receitas de sobremesas com o pessoal do Brasil. Eu conheço suficientemente bem o repertório de sobremesas do meu país pra saber que “leve”, “pouco doce” e “sobremesa” nunca são combinados na mesma frase. Claro que não reclamamos diante de uma salada de frutas, embora uma boa parte dos meus compatriotas despeje uma dose generosa de leite condensado no seu prato antes de comê-la. Mas a verdade é que as sobremesas que fazem o pessoal da minha terra salivar são extremamente doces e carregadas de gordura, vinda de latinhas de leite condensado e creme de leite.

Esse pavê está bem longe das sobremesas descritas acima. Ele é leve e delicadamente perfumado com baunilha e rum. Gosto de usar biscoitos do tipo “speculoos” (os da marca “Lotus” são os melhores e são veganos), uma especialidade belga ligeiramente caramelizada e com toques de canela. Nunca vi esses biscoitos no Brasil mas você pode substituí-los por seu biscoito preferido. O importante é que ele não seja muito doce e tenha um sabor que se harmonize com os outros ingredientes. O leite de coco deixa o creme mais cremoso, mas o sabor fica bem suave no final. Pra mim uma sobremesa merece nota 10 quando os sabores são deliciosos e claramente detectados, sem uma espessa camada de açúcar encobrindo tudo, e as texturas interessantes. Esse pavê é um ótimo exemplo disso. Banana, rum, baunilha e coco vão muito bem juntos e as camadas diferentes oferecem texturas que se complementam.

Será que essa sobremesa vai fazer sucesso na sua casa? Se você for vegano, com certeza. Se leite condensado é pra suas sobremesas o que oxigênio é pros seus pulmões, talvez não. Mas comer algo leve de vez em quando (especialmente quando o assunto é sobremesa, que sempre chega quando seu estômago já está cheio) não deixa de ser uma boa idéia. E quer saber? Decidi que essa foi a última vez que dei explicações e me desculpei por uma sobremesa que criei. Existem milhões de receitas carregadas de açúcar e gordura por aí e ninguém vai ficar decepcionado se eu continuar criando receitinhas mais leves. Principalemente quando elas são tão saborosas quanto esse pavê.

Pavê de banana com coco, baunilha e rum

Você pode substituir os speculoos por biscoito do tipo “maizena” ou “maria”. Se estiver usando um favo de bauniilha corte-o ao meio no sentido do comprimento e, com a ponta da faca, raspe as sementes. Guarde o favo dentro de um pote de açúcar (o açúcar ficará deliciosamente perfumado) ou faça seu próprio extrato de baunilha, guardando os favos usados dentro de uma garrafinha com algum álcool forte, como whisky, e deixando macerar durantes várias semanas. Detesto sobremesas doces demais então uso o mínimo possível de xarope de bordo. Se você quiser um pavê mais doce aumente a quantidade de xarope/açúcar no creme. Gosto de fazer pavês individuais pois é mais bonito e mais fácil de controlar as porções.

2 bananas médias

8,10 biscoitos speculoos, quebrados em pedacinhos pequenos (essa quantidade pode variar depenendo do tamanho do biscoito usado)

1 ½ x de leite de soja

5cs de creme de coco (a parte cremosa do leite de coco)

2cc de amido de milho

2cs de xarope de bordo, ou açúcar demerara

1 favo de baunilha (as sementes), ou 1/2cs de extrato natural de baunilha

uma dose mais 1cc de rum envelhecido

1cs de azeite (ou margarina) pra fritar as bananas

Comece colocando uma lata de leite de coco na geladeira por pelo menos duas horas. O leite de coco vai se separar: a parte cremosa (gordura) vai ficar em cima e a parte mais líquida (água) embaixo. Abra, tomando o cuidado de não sacudir a lata, e retire 5 cs do creme que se encontra na superfície. Guarde o resto pra outra utilização. Em uma panela pequena, misture o creme de coco com o leite de soja, o xarope de bordo (ou açúcar) e as sementes de baunilha (se estiver usando extrato, acrescente depois). À parte dissolva o amido de milho em 2cs desse líquido e despeje tudo na panela. Cozinhe em fogo baixo, mexendo sempre com uma colher de pau, até engrossar ligeiramente. O creme continua a engrossar enquanto esfria. Desligue o fogo e junte 1cc de rum e o extrato de baunilha, se não estiver usando as sementes. Cubra com papel filme pra impedir que uma película (nata) se forme,ou faça como eu: continue mexendo o creme até ele esfriar completamente. Aqueça o azeite (ou margarina) em uma frigideira, de preferencia de ferro. Descasque e corte as bananas ao meio, no sentido do comprimento. Frite até ficar  dourado dos dois lados. Despeje uma dose de rum (eu não meço, mas deve ser umas 3cs) e imediatamente incline a frigideira sobre a chama, deixando o fogo “entrar” na frigideira, pra flambar as bananas. Monte os mini pavês: despeje metade do creme frio no fundo de 6 copinhos, cubra com uma camada de biscoitos quebrados, seguido das bananas flambadas em pedaços, mais uma camada de biscoitos quebrados e termine com o resto do creme. Cubra cada copinho com um pedaço de papel alumínio (ou papel filme) e transfira pra geladeira. Deixe gelar por pelo menos 2 horas antes de servir. Rende 6 mini pavês (uso copinhos de 100ml).

Fonte: Papacapim

  • Acessos 38299